Cascata Ribeira da Praia


Ribeira da Praia é um curso de água português localizado no concelho de Vila Franca do Campo, ilha de São Miguel, arquipélago dos Açores.
Este curso de água, drena uma área geográfica vasta cujo ponto mais elevado se encontra a cerca de 947 de altitude na Pico da Barrosa. Drena também parte da Reserva Natural da Lagoa do Fogo e parte do Vulcão do Fogo, local onde se localiza a Lagoa do Fogo.
Um dos seus afluentes encontra-se inserido na Serra de Água de Pau de que faz drenagem conjuntamente com a Ribeira das Três Voltas, a Ribeira das Barreiras e a Grota das Pedras. Dado o seu acentuado caudal possui uma instalação hidroeléctrica que aproveita a corrente tem uma capacidade de produção de cerca de 0,8 MW.
Este curso de água desagua no Oceano Atlântico, na Praia dos Trinta Reis, costa Sul da ilha depois de atravessar a localidade de Água de Alto.

Beautiful Nature


Esta linda cascata fica localizado no parque natural da Ribeira dos Caldeirões na freguesia da Achada no concelho do Nordeste, em São Miguel Açores.

Ermida de Nossa Senhora Mãe de Deus


A Ermida da Mãe de Deus localiza-se no alto da ladeira da Mãe de Deus, na freguesia de São Pedro, concelho de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores.

História:
A primitiva ermida no Alto da Mãe de Deus foi erguida por iniciativa de Diogo Afonso da Costa Columbreiro, que ali perto tinha a sua residência.

No contexto da Primeira Guerra Mundial, esse templo foi demolido em 1915, sob a alegação de que poderia servir de alvo aos submarinos alemães. Os seus azulejos foram recolhidos na ocasião ao Museu de Ponta Delgada.

Ao fim do conflito, as senhoras micaelenses formularam voto de a edificar de novo. Desse modo, a 25 de março de 1925 foi lançada a primeira pedra, no mesmo local do antigo templo, após um grande cortejo saído de São Pedro, sendo celebrada missa campal no local pelo padre Herculano Augusto de Medeiros. No interior da pedra fundamental foi encerrado um frasco de vidro contendo a ata da cerimónia, redigida em latim pelo padre Ledo de Bettencourt, então Cura de São Pedro. Após este ato o padre José Jacinto Botelho, das Furnas, proferiu um sermão que impressionou os presentes.

A construção seguiu um projeto do arquitecto Norberto Correia, em estilo neobarroco. Tendo as obras registado demora, no contexto da segunda Guerra Mundial encontrava-se ainda incompleta. Desse modo, em 1942 o Alto da Mãe de Deus foi guarnecido por tropas portuguesas, com a missão de vigilância do porto de Ponta Delgada.

O templo foi concluído no início de 1947, sendo entregue à autoridade eclesiástica e benzido em 25 de março daquele ano pelo Ouvidor Eclesiástico, padre José Gomes.

Farol de Santa Clara


O Farol de Santa Clara é um farol português localizado no restinga de Ponta Delgada a cerca de 800 metros a oeste da frente marítima da cidade de Ponta Delgada, na freguesia de Santa Clara, Ilha de São Miguel, Açores.

Lanterna vermelha numa torre quadrangular com estrutura em treliça de ferro, sobre uma base também quadrangular em betão.

Este lindíssimo farol tinha estado instalado desde 1886 até finais da década de 1930 ou início da década de 1940 na torre de Belém em Lisboa, herdando a sua requintada lanterna as formas das guaritas manuelinas.

Em dezembro de 1942 após o derrube do farol da cabeça do molhe do porto de Ponta Delgada, devido a forte temporal, foi então decidido instalar um novo farol em terra firme, tendo sido escolhido um local próximo da restinga de Ponta Delgada (que deu nome à cidade) em Santa Clara. Coube à Junta Autónoma dos Portos de Ponta Delgada, então dirigida pelo Engº. Abel Coutinho e com a direcção técnica do Agente Técnico Carlos Horta a sua montagem e instalação, tendo sido inaugurado em 15 de junho de 1945

Lagoa do Fogo


A Lagoa do Fogo é uma das maiores lagoas dos Açores e a segunda maior da Ilha de São Miguel, e é classificada desde 1974 como reserva natural.

Faz parte integrante da Rede Natura 2000, pelo facto de ter sido classificada como zona especial de conservação, aprovado por Decisão da Comissão Europeia no dia 28 de Dezembro de 2001, nos termos da Directiva Habitats 92/43/CEE do Conselho. Esta lagoa de águas muito azuis ocupa uma área de 1 360 ha, que é bastante tendo em atenção as dimensões da própria ilha.

O vulcão do Fogo dá forma ao grande maciço vulcânico da Serra de Água de Pau, localizado na zona central da Ilha de São Miguel. Toda esta zona é rodeado por uma densa e exuberante vegetação endémica.

A caldeira vulcânica, tal como o vulcão, que lhe deu forma, é a mais jovem da Ilha de São Miguel e ter-se-á formado há cerca de 15 000 anos. A sua configuração actual é resultado do último colapso, tido como importante e que ocorreu no topo do vulcão, há aproximadamente 5 mil anos. A última erupção data de 1563.

Esta lagoa, é também a mais alta da Ilha de São Miguel, facto que se deve a se encontrar no cimo de uma montanha cujo ponto mais alto se eleva a 949 metros. Localiza-se no topo do grande vulcão do Fogo, também conhecido como vulcão de Água de Pau. A caldeira tem forma de colapso tem forma elíptica e dimensões aproximadas de 3 x 2,5 km. As paredes desta caldeira chegam a atingir desníveis de 300 metros.

A lagoa, devido a se encontrar no centro da caldeira, localiza-se a uma cota bastante mais baixa, encontrando-se a 575 metros. A profundidade máxima atingida nesta lagoa são os 30 metros. Dentro de todo o perímetro da reserva natural, lagoa, caldeira, e vertentes da mesma, destacam-se bastantes espécies de plantas endémicas dos Açores: é o caso do cedro-do-mato (Juniperus brevifolia), o louro (Laurus azorica) e o sanguinho (Frangula azorica). Surgem ainda a malfurada (Hypericum foliosum), a urze (Erica azorica) e o trovisco-macho (Euphorbia Stygiana).

A principal fauna, aqui representada pelos pássaros de pequenas dimensões é muitas vezes acompanhada por aves de grande porte como as aves de rapina. Assim, surge nos ares da lagoa, além das aves caracteristicamente terrestres como o pombo-torcaz-dos-Açores (Columba palumbus azorica), o milhafre ou queimado (Buteo buteo rothschildi), a alvéola-cinzenta (Motocilla cinérea) e o melro-preto (Turdus merula azorensis), as aves marinhas como a gaivota (Larus cachinnans atlantis) e o garajau-comum (Sterna hirundo).

Ilhéu de Rosto de Cão


O Ilhéu de Rosto de Cão localiza-se na costa sul da ilha de São Miguel, próximo à cidade de Ponta Delgada.

Este ilhéu apresenta-se como uma pequena e estreita península de material palagonítico relativamente litificado, que se estende cerca de 80 metros mar a dentro a partir da linha de costa, atingindo uma altura máxima de cerca de 35 metros.

O ilhéu é constituído pelos restos muito desmantelados de um pequeno cone litoral, formado a menos de um centena de metros da costa, que a ela se juntou devido à acumulação de materiais eruptivos (num processo semelhante aos do vulcão dos Capelinhos, embora de muito menor dimensão).

O vulcão está instalado na falha que sai do Pico do Boi e vai até Rosto de Cão, marcando o local onde ela mergulha no mar.

Junto ao ilhéu está construído o Miradouro do Ilhéu de São Roque um miradouro que permite uma interessante vista da costa sul da ilha na região que se estende desde ponta Delgada até além da vila de Lagoa. Em tempos existiu nas imediações um pequeno fortim.

O ilhéu, dada a sua vegetação e a presença de aves marinhas foi considerado biótopo protegido, e incluído como zona de paisagem protegida na Reserva Ecológica Regional, pela alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º do Regulamento do Plano de Urbanização de Ponta Delgada e Áreas Envolventes, ratificado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º 37/2000/A, de 14 de Dezembro.

Para leste do ilhéu, na Praia do Pópulo e na Praia das Milícias e costa adjacente, deu-se o desembarque das forças de D. António I a 17 de Julho de 1582, nas vésperas da batalha naval de Vila Franca.
-