Capela de Nossa Senhora das Vitórias


A Capela de Nossa Senhora das Vitórias localiza-se nas Furnas, na ilha de São Miguel, nos Açores. É considerada como um dos mais ricos e originais templos do arquipélago.

História:
Foi mandada erguer por José do Canto, em consequência de um voto formulado por ocasião de uma doença grave de sua esposa. O seu testamento, escrito em 27 de Junho de 1862, reza:

“ Tendo feito, durante a maior gravidade da moléstia de minha esposa, em 1854, o voto de edificar uma pequena capela da invocação de Nossa Senhora das Vitórias, e não havendo realizado ainda o meu propósito por circunstâncias alheias à minha vontade, ordeno que se faça a dita edificação, no caso que ao tempo da minha morte não esteja feita, no sítio que havia escolhido, junto da Lagoa das Furnas, com aquela decência, e boa disposição em que eu, se vivo fora, a teria edificado ”

A ermida foi levantada ainda em vida de José do Canto, do que resultou que a mesma ficasse a constituir uma pequena maravilha artística, em estilo neo-gótico, imitando as grandes catedrais europeias. A obra de cantaria foi executada por pedreiros micaelenses sob a chefia do Mestre António de Sousa Redemoinho, de Vila Franca do Campo. A capela ficou muitíssimo valorizada com riquíssimos vitrais.

Foi inaugurada solenemente no dia 15 de Agosto de 1886, ainda em vida de José do Canto, referindo-se os jornais do tempo, a essa festa, em termos elogiosos. A imagem do altar-mor é feita de jaspe e os vitrais que circundam o templo evocam passos da vida de Nossa Senhora desde o nascimento à assumpção.

A Capela de Nossa Senhora das Vitórias foi construída nas imediações da casa de veraneio de José do Canto, que nela se encontra sepultado com sua esposa.

Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público pela Resolução n.º 187/98, de 6 de Agosto e pela Resolução n.º 56/2001, de 17 de Maio.

Road to paradise


O Miradouro da Boca do Inferno é um miradouro português localizado na freguesia das Sete Cidades, concelho de Ponta Delgada, na ilha açoriana de São Miguel.

Este miradouro apresenta-se dentro do espaço da Zona de Paisagem Protegida das Sete Cidades e tem uma das mais espantosas paisagens da ilha de São Miguel, facto que lhe advêm da altitude (cerca de 1000 metros) a que se encontra, no cimo de uma elevação sobranceira à Caldeira das Sete Cidades.

Daqui é possível ver a Lagoa do Canário, a Lagoa das Sete Cidades, a Lagoa Rasa e parte do Povoado das Sete Cidades além de parte da Serra Devassa.

Este miradouro encontra-se envolvido por uma paisagem selvagem e natural onde os endemismos característicos das florestas da Macaronésia são uma constante.

Ilhéu de Rosto de Cão


O Ilhéu de Rosto de Cão localiza-se na costa sul da ilha de São Miguel, próximo à cidade de Ponta Delgada.

Este ilhéu apresenta-se como uma pequena e estreita península de material palagonítico relativamente litificado, que se estende cerca de 80 metros mar a dentro a partir da linha de costa, atingindo uma altura máxima de cerca de 35 metros.

O ilhéu é constituído pelos restos muito desmantelados de um pequeno cone litoral, formado a menos de um centena de metros da costa, que a ela se juntou devido à acumulação de materiais eruptivos (num processo semelhante aos do vulcão dos Capelinhos, embora de muito menor dimensão).

O vulcão está instalado na falha que sai do Pico do Boi e vai até Rosto de Cão, marcando o local onde ela mergulha no mar.

Junto ao ilhéu está construído o Miradouro do Ilhéu de São Roque um miradouro que permite uma interessante vista da costa sul da ilha na região que se estende desde ponta Delgada até além da vila de Lagoa. Em tempos existiu nas imediações um pequeno fortim.

O ilhéu, dada a sua vegetação e a presença de aves marinhas foi considerado biótopo protegido, e incluído como zona de paisagem protegida na Reserva Ecológica Regional, pela alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º do Regulamento do Plano de Urbanização de Ponta Delgada e Áreas Envolventes, ratificado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º 37/2000/A, de 14 de Dezembro.

Para leste do ilhéu, na Praia do Pópulo e na Praia das Milícias e costa adjacente, deu-se o desembarque das forças de D. António I a 17 de Julho de 1582, nas vésperas da batalha naval de Vila Franca.

Capela de Nossa Senhora das Vitórias


A Capela de Nossa Senhora das Vitórias localiza-se nas Furnas, na ilha de São Miguel, nos Açores. É considerada como um dos mais ricos e originais templos do arquipélago.

História:
Foi mandada erguer por José do Canto, em consequência de um voto formulado por ocasião de uma doença grave de sua esposa. O seu testamento, escrito em 27 de Junho de 1862, reza:

Tendo feito, durante a maior gravidade da moléstia de minha esposa, em 1854, o voto de edificar uma pequena capela da invocação de Nossa Senhora das Vitórias, e não havendo realizado ainda o meu propósito por circunstâncias alheias à minha vontade, ordeno que se faça a dita edificação, no caso que ao tempo da minha morte não esteja feita, no sítio que havia escolhido, junto da Lagoa das Furnas, com aquela decência, e boa disposição em que eu, se vivo fora, a teria edificado

A ermida foi levantada ainda em vida de José do Canto, do que resultou que a mesma ficasse a constituir uma pequena maravilha artística, em estilo neo-gótico, imitando as grandes catedrais europeias. A obra de cantaria foi executada por pedreiros micaelenses sob a chefia do Mestre António de Sousa Redemoinho, de Vila Franca do Campo. A capela ficou muitíssimo valorizada com riquíssimos vitrais.

Foi inaugurada solenemente no dia 15 de Agosto de 1886, ainda em vida de José do Canto, referindo-se os jornais do tempo, a essa festa, em termos elogiosos. A imagem do altar-mor é feita de jaspe e os vitrais que circundam o templo evocam passos da vida de Nossa Senhora desde o nascimento à assumpção.

A Capela de Nossa Senhora das Vitórias foi construída nas imediações da casa de veraneio de José do Canto, que nela se encontra sepultado com sua esposa.

Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público pela Resolução n.º 187/98, de 6 de Agosto e pela Resolução n.º 56/2001, de 17 de Maio.
-